Piauienses têm a segunda menor expectativa de vida do Brasil, segundo o IBGE

 Piauienses têm a segunda menor expectativa de vida do Brasil, segundo o IBGE

Um piauiense nascido em 2019 tem expectativa de viver 71,6 anos em média, número que é superior apenas ao verificado para o Maranhão, onde a expectativa de vida é de 71,4 anos. As informações são da Tábua Completa de Mortalidade 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Santa Catarina possui a maior expectativa de vida ao nascer do país, cerca de 79,9 anos, o equivalente a 8,5 anos a mais do que o Piauí. No Brasil, uma pessoa nascida em 2019 tem esperança de viver por 76,6 anos, o que representa 5 anos a mais do que no Piauí.

A situação é pior entre os homens do Piauí, que têm a menor expectativa de vida do Brasil. Um piauiense do sexo masculino nascido em 2019 tem expectativa de viver 67,3 anos em média. No Brasil, a expectativa de vida de ao nascer para o sexo masculino é de 73,1 anos, o que representa 5,8 anos a mais do que os nascidos no Piauí.

 A diferença é ainda maior se comparada com a expectativa de vida que um homem tem em Santa Catarina, estado com o maior indicador. Lá, espera-se que um homem viva 76,7 anos em média, o que equivale a 9,4 anos a mais do que os homens nascidos no Piauí.

Em geral, as mulheres têm expectativa de vida ao nascer superior aos homens. Isso ocorre como reflexo dos altos níveis de mortalidade de jovens do sexo masculino por causas violentas. No Piauí, as pessoas do sexo feminino nascidas em 2019 têm esperança de viver por 76 anos, revelando uma diferença de 8,7 anos a mais de vida do que os homens do estado. Essa diferença é a terceira maior do país, inferior apenas à Bahia (9,2 anos) e à Alagoas (9,5 anos).

Apesar de ser esperado que vivam mais do que os homens piauienses, as mulheres nascidas no Piauí têm a quarta menor expectativa de vida do Brasil. O indicador é superior apenas ao das pessoas do sexo feminino que nascem em Rondônia (75,5 anos), no Maranhão (75,3 anos) e em Roraima (75,1 anos).

A expectativa média é que as pessoas do sexo feminino nascidas no Brasil, em 2019, vivam por 80,1 anos, o que significa 4,1 anos a mais do que as nascidas no Piauí. As mulheres de Santa Catarina têm a maior expectativa de vida do país: 83,2 anos, o equivalente a 7,6 anos a mais do que as piauienses e 15,9 anos a mais do que os homens nascidos no Piauí.

A Tábua Completa de Mortalidade do IBGE é um dos parâmetros usados para determinar o fator previdenciário, influindo no cálculo dos valores das aposentadorias dos trabalhadores que estão sob o Regime Geral de Previdência Social. Os indicadores revelados pelo estudo estão diretamente associados com as condições sanitárias, de saúde e de segurança da população. Assim, os dados auxiliam também a avaliar e introduzir os ajustes necessários nas políticas sociais do país.

Fonte: Ascom/IBGE

Digiqole ad

Matérias relacionadas