Beber álcool moderadamente pode fazer bem ao cérebro, diz estudo

Um estudo realizado por pesquisadores dos Estados Unidos, Grécia e China demonstrou que o consumo moderado de álcool pode levar a um declínio mental mais lento em pessoas de meia-idade (entre 45 e 59 anos) e idosas (acima de 60 anos), diferentemente do consumo exacerbado, que desencadeia o efeito oposto. As informações são do R7.

O consumo moderado resultou em menores taxas de perda cognitiva, se comparadas a pessoas abstêmias. A pesquisa, publicada no JAMA Network Open, foi conduzida durante nove anos com quase 20 mil pessoas com uma média de idade de 61 anos. Esse grupo foi testado em três áreas: estado psíquico, lembrança de palavras e vocabulário.

Segundo os cientistas, aqueles que se declararam como consumidores moderados de álcool tiveram resultados elevados nos testes de funções cognitivas. Esses resultados foram positivos em pessoas de meia idade.

O estudo mostrou que a perda de cognição foi reduzida em pessoas de meia idade ou mais velhas que consomem, ou já consumiram, bebidas alcoólicas em pequenas ou moderadas quantidades, o que significa até 8 doses por semana, para mulheres e até 15 doses por semana, para homens.

A trajetória positiva tende a se inverter quando se ultrapassa esse limite de moderação, piorando todos os índices avaliados, segundo a pesquisa.

Apesar de chegarem a esses resultados com testes práticos, os pesquisadores não conseguiram apontar o que, dentro do consumo do álcool moderado, causa esta melhora nas funções cerebrais, sendo necessários novos estudos para avaliar essa correlação.

R7

Digiqole ad

Matérias relacionadas